Recent Posts
Please reload

Archive
Please reload

Ayurveda: entenda os seus benéficos para a saúde.

November 18, 2018

 

ph: Google 

 

O que a medicina e nutrição convencional chamam de individualidade metabólica, na Ayurveda chamamos de temperamento.

Trabalhamos com o equilíbrio dos 5 elementos. Não é terapia holística. É puramente ciência e física. Ayurveda significa ciência da vida. Estudamos como os 5 elementos se interagem para promover o equilíbrio em todos os seres vivos e na natureza.

Cada pessoa nasce com elementos predominantes em sua constituição. Chamamos isso de DNA ayurvédico. Para ajudar a entender melhor e classificar a interação desses elementos, existem os Doshas, que são os temperamentos Ayurvédicos.

São eles:

Pitta: fogo e agua

Vata: ar e éter

Kapha: terra e água

 

Cada dosha terá características referentes àqueles elementos presentes. Tanto físicas, quanto emocionais. O objetivo para manutenção do equilíbrio e saúde vitalícios  é evitar elevar aqueles mais predominantes e proporcionar um equilíbrio entre os 5 através da alimentação indicada para cada dosha, práticas e exercícios de respiração (e meditação).

                                          

Quando em desequilíbrio, é muito mais fácil adotarmos práticas e escolhas familiares a nós. Por exemplo um pitta, regido por fogo gostar de pimentas e alimentos bem temperados e salgados, desafios e discussões quentes e serem extremamente críticos e ácidos.

Quando estamos em um caminho de equilíbrio, tendenciamos a gostar e pedir aquilo que irá proporcionar o equilíbrio homeostático e emocional. Geralmente, coisas contrárias à realidade que estamos vivendo atualmente. Como por exemplo um vata, preferindo alimentos ácidos para equilíbrio, alimentos oleosos para lubrificação do intestino e práticas de Yoga e meditação para domínio da ansiedade.

ph: Google 

 

1- Como promover o equilíbrio para cada dosha?

 

É importante adotar práticas que visem equilibrar aquilo que falta e aquilo que excede. Devemos fazer o contrário daquilo que tendenciamos a alimentar com muita frequência. Como no caso de um kapha (terra e água) que devido à característica de um metabolismo mais lento, energia mais passiva deve evitar alimentos “terra” como tubérculos, féculas, farinhas e massas, assim como práticas que aterrem, como dormir muito, alimentar demais e ter práticas de  apego físico e emocional.

 

2- Como saber qual meu dosha e os melhores alimentos para mim?

 

Somente através de uma anamnese ayurvédica você poderá saber exatamente o seu temperamento ayurvédico e formas de promover seu equilíbrio. Testes de internet são curiosos mas não oferecem soluções seguras e práticas.

 

3- Existe um tipo de alimentação/dieta ideal para todos?

 

Mais do que rotular o tipo de alimentação, duas coisas são mais importantes:

A primeira é entender as necessidades atuais do seu corpo. Assim como as estações mudam, nós também mudamos, e consequentemente as necessidades para o equilíbrio.  Muitas vezes, a flexibilidade alimentar irá te proporcionar um equilíbrio muito maior em situações necessárias.

A segunda é que mais importante do que o que você come, é a procedência e qualidade daquilo que está sendo ingerido. Hoje os alimentos que chegam até nossa mesa não são confiáveis como há alguns anos. Hoje temos tóxicos, químicos, transgênicos e essa filtragem é essencial para uma boa saúde. Não adianta comer verduras, legumes, grãos se estão comprometidos com elementos tóxicos nocivos. 

 

 

4- Qual o melhor tipo de alimentação para a Ayurveda?

 

Aquela que faz sentido à sua digestão é a melhor alimentação para você. Somos o que conseguimos digerir. Um alimento natural será sempre um bom alimento, mas se você não tiver digestão para ele, fará menos sentido para a sua saúde.

Todo alimento da natureza é bom! A questão é para quem ele será direcionado.

 

ph: Google

 

5- A ayurveda segue algum tipo de filosofia ou dieta alimentar como paleo, low carb ou de restrições calóricas?

 

Não se conta calorias, proteínas, carboidratos na analise ayurvédica. Trabalhamos com a análise dos elementos naturais. A quantidade ideal para cada individuo deve caber nas duas palmas das mãos fechadas.

 

6- O que a Ayurveda pensa sobre leite/ queijo?

 

A questão é sobre a qualidade dos produtos lácteos que temos hoje. Não são confiáveis. As vacas não são bem tratadas, raramente se alimentam de grama e produzem um leite de qualidade. Caso tenha acesso a um leite assim, e tenha digestão para esse tipo de alimento, ele será de equilíbrio para sua saúde.

 

7- E sobre carne/frango/peixe?

 

O mesmo serve para esses alimentos. Tudo gira em torno da digestão e estes devem sempre ser confiáveis, bem tratados, sem acúmulo de toxinas emocionais, pois tudo isso passa para nós quando comemos. É necessário respeito pelo animal que vamos comer, assim como um equilíbrio da quantidade e frequência.

 

8- E sobre comer de 3 em 3 horas?

 

Devemos comer quando sentimos fome e beber quando sentimos sede. Para a Ayurveda nada é mais inflamatório do que forçar sua digestão.

 

9- O que Ayurveda pensa sobre o jejum?

 

É visto como o equilíbrio do éter. Prática importante para a manutenção do equilíbrio dos 5 elementos. Mas novamente, deve ser bem instruída e direcionada á digestão corretamente.

 

10- O que a nutrição Ayurvédica propõe solucionar?

 

Presença de distúrbios e patologias de até grau 3 (são 5). Através do equilíbrio da digestão, conseguimos absorver o que precisamos para prosperar e eliminar aquilo que não é interessante para nossa saúde. Cuidar da boa digestão evita acúmulo de toxinas, que são as responsáveis pelas doenças. Através da introdução de alimentos correta para seu temperamento assim como práticas de equilíbrio, é capaz de amenizar sintomas crônicos como rinites, sinusites, enxaquecas, problemas digestivos como azia, refluxo, gases e indigestão, assim como sintomas emocionais: excesso de ansiedade, preocupação excessiva, falta de foco e energia. 

 

Para agendar sua anamnese ayurvédica ou informações sobre atendimentos ayurvédicos envie email para: assessoria@xandafogaca.com

 

Namasté,

 

Xanda.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload